Taxa CDI

No mercado financeiro há várias modalidades de investimento, com diferentes níveis de risco para todos os tipos de investidor. Quem é da área certamente já ouviu falar sobre taxa CDI. Entretanto, você sabe o que essa sigla significa e como ela pode impulsionar suas aplicações financeiras?

Elaboramos este artigo para explicar o que é esse indexador de investimento, como ele funciona, suas principais características e vantagem, entre outras coisas. Continue a leitura e aprenda como potencializar suas aplicações com a taxa CDI.​

O que é a taxa CDI?

CDI é a sigla utilizada para Certificados de Depósito Interbancário. Ela funciona como uma transferência entre instituições financeiras cujo objetivo é fornecer capital de quem tem reserva para quem precisa.

A CDI está presente nas aplicações em produtos como o CDB (Certificado de Depósito Bancário), LCI (Letra de Crédito Imobiliário), LCA (Letra de Crédito Agropecuário) ou em uma Letra de Câmbio, cuja rentabilidade está ligada normalmente a um percentual da taxa de depósitos entre bancos.

Quais as principais características?

Para que você compreenda melhor as principais características da CDI, vamos compará-la ao CDB, pois ambos estão indiretamente ligados às aplicações de renda fixa como LCI e LCA. A diferença é que a CDI só pode ser utilizada em casos de transferências com caráter interbancário. Assim, a possibilidade de investimento com a taxa fica limitada apenas para pessoas jurídicas.

Como render com a taxa CDI?

Os investimentos que rendem com a taxa CDI são geralmente identificados como Pós-Fixados. Como você leu acima, para render com CDI você precisará fazer uma espécie de empréstimo a alguma instituição bancária. Esta, estando com reserva de recurso, faz uma transferência interbancária a outra instituição que carece de capital e assim sua aplicação começa a ser potencializada.

Outros métodos, também já citados, são os investimentos em aplicações de renda fixa como LCI, LCA, Tesouro Selic, entre outros. A taxa CDI possui rentabilidade flutuante junto à Selic (por exemplo, de 6,5% em dezembro de 2018).

Quanto rende a CDI?

Nos últimos anos, o rendimento com a taxa CDI variou bastante. Por exemplo, em 2008 o índice anual alcançou o percentual de 12,38%. Cinco anos depois, em 2013, o marco bateu os 8,06%. Neste ano, o acumulado até outubro rendeu 2,64%.

Entre as principais vantagens de optar pela aplicação na taxa CDI podemos destacar:

  • a isenção de impostos;
  • alto índice de liquidez;
  • segurança de aplicação;
  • diversificação de investimentos.

Entretanto, para quem deseja investir em outras aplicações além da CDI, vale destacar títulos como:

  • CDB: título de renda fixa emitido por instituições financeiras e bancos. Esta é uma aplicação muito popular no mercado financeiro, porque além de ser um pouco mais acessível, também dá oportunidade para uma enorme vantagem: o uso como margem de garantia para aplicação na Bolsa de Valores. Com isso seu capital rende no método 2×1;
  • LCI: título emitido por agentes bancários a fim de obter recursos com foco em investimento no mercado imobiliário. Ele possui baixa volatilidade e garante retorno rápido ao investidor;
  • LCA: semelhante ao LCI, o LCA é um título voltado para beneficiar o mercado do agronegócio. Ele funciona como um empréstimo de capital para o setor e, enquanto isso, ao investidor cabe acompanhar as correções monetárias;
  • LC: título emitido por instituições financeiras não-bancárias, as conhecidas financiadoras. Conforme a LCI e a LCA, a Letra de Câmbio não possibilita o uso como margem de garantia na Bolsa. Diferentemente das duas metodologias já citadas, no LC o investidor é obrigado a declarar o imposto de renda.

E aí, conseguiu entender melhor a aplicabilidade da taxa CDI? Compreendeu as vantagens do investimento direto ou indireto nesse método? Lembre-se sempre de fazer um bom planejamento antes de render suas aplicações em alguns dos títulos citados.

E se você desejar conhecer alguns títulos que rendem mais que poupança, basta clicar aqui e conferir em outro artigo que preparamos em nosso blog. Boa leitura!