Resumo da Semana: Ibovespa fecha em alta de 8,3%

Ibovespa: +8,3% | 94.637 pontos

O Ibovespa encerrou a semana em alta de 8,3%, impulsionado por melhoras no ambiente doméstico, com alívio na política e reabertura econômica, e otimismo por parte dos investidores internacionais, que teriam voltado seus olhos ao Brasil devido ao grande desconto do Ibovespa em relação às demais bolsas emergentes. Como escrevemos no nosso Panorama de Mercado de Junho, o Ibovespa chegou a ter o pior desempenho entre as bolsas globais. Evidências de tal aumento do interesse do investidor estrangeiro incluem a queda no dólar, que chegou em R$ 5,10, e o fechamento da curva DI, favorecido pela alta demanda pela emissão de dívida externa realizada pelo Tesouro Nacional no montante de US$ 3,5 bilhões.

Mercados Internacionais começaram a semana pressionados após China pausar importações de produtos agrícolas dos EUA, sinalizando um potencial rompimento comercial do acordo bilateral. Nos EUA, o final de semana foi marcado por protestos contra o racismo após a morte de George Floyd, com desdobramentos que incluíram a imposição de um toque de recolher em Washington. Ao longo da semana, o otimismo voltou a predominar, com mercados apostando no final dos protestos e numa rápida recuperação econômica – na sexta-feira, os EUA viram a taxa de desemprego recuar para 13,3% ao conseguirem criar 2,5 milhões de empregos em maio, comparado à previsão de destruição de 8 milhões de postos de trabalho.

Do lado econômico, na Zona do Euro, o PMI composto, que engloba os setores industrial e de serviços, superou as expectativas ao subir da mínima histórica de 13,6 em abril para 31,9 em maio. Na China, o PMI industrial de maio passou de 49,4 para 50,7 – lembramos que um resultado acima de 50 sugere que o setor manufatureiro do país voltou a apresentar expansão no mês. Por fim, no Brasil, a produção industrial brasileira surpreendeu positivamente, apresentando contração em abril de 27,2% A/A e 18,8% M/M.

Do lado corporativo, publicamos relatório sobre o setor de varejo, elevando nossa recomendação para as ações de Lojas Americanas (LAME4) para Compra, e rebaixando as ações do Grupo Pão de Açúcar (PCAR3) para Neutro. Além disso, publicamos um relatório retomando o tema do Novo Marco Regulatório do Saneamento e rebaixamos a recomendação das ações da Copasa (CSMG3) para Venda.

Câmbio e juros

O Real teve uma valorização em relação ao dólar de 6,5%, fechando a semana em R$ 4,98/USD. Já a curva DI para o vértice de janeiro/31 fechou 14 pontos base desde a semana passada.

O que esperar

A decisão de política monetária do Banco Central americano (Fed) e a divulgação do PIB do primeiro trimestre da Zona do Euro serão os principais destaques da agenda de indicadores internacionais na próxima semana. No Brasil, a principal divulgação será o IPCA de maio, que na nossa visão deve apresentar contração de 0,48% no mês.

Carteira Top Picks

A XP Investimentos divulgou a “Top Picks”, sua carteira semanal de análise gráfica, para o período de 5 a 12 de junho. Para esta semana foram trocadas três ações do portfolio.

Saem da carteira as ações de Klabin (KLBN11), Vale (VALE3) e Bradesco (BBDC4) e entram BR Malls (BRML3), Marcopolo (POMO4) e Embraer (EMBR3).

Segundo Gilberto Coelho, o Giba, analista técnico responsável pela carteira, as ações da BR Malls foram escolhidas porque apresentam sinais gráficos de continuidade da tendência de alta, projetando ganhos até R$ 14,00 ou R$ 19,00. Um bom suporte para stop loss é o nível de R$ 9,50.

Já Marcopolo entra no portfolio também com sinais de continuidade, que mostram que o papel deve atingir as cotações de R$ 3,80 ou R$ 5,00. O suporte mais próximo é o dos R$ 2,60.

Por fim, as ações ordinárias da Embraer passam a fazer parte da carteira porque apesar da forte alta recente ainda possuem espaço para testar a média móvel de 200 dias, que seria atingida nos R$ 14,00. O suporte para stop loss é o dos R$ 6,78.

Divulgada semanalmente, a carteira Top Picks XP é composta por cinco ativos, tendo cada um peso de 20%. A seleção busca retorno a curto prazo, alinhando fluxo e movimentação das ações ao cenário político e macroeconômico.

Giba calcula a rentabilidade da carteira entrando nas ações no leilão das sextas-feiras. O objetivo é de que a média do retorno dos ativos supere o Ibovespa ao fim da semana.

Desempenho
Na semana passada, a carteira Top Picks subiu 5,12%, ante um avanço de 8,28% do Ibovespa. Com isso, o portfolio agora tem queda de 22,69% no ano, contra uma queda de 20,16% do benchmark.

As ações preferenciais do Bradesco, foram as principais responsáveis pela alta na semana, subindo 17,15%. Em seguida vem os papéis da Qualicorp (QUAL3), que tiveram ganhos de 13,2%. Também se valorizaram as ações da Vale, com alta de 3%.

Por outro lado, caíram 4,37% as ações da JBS (JBSS3) e recuaram 3,25% os papéis da Klabin.