Resumo da Semana 24/07

Ibovespa: 0,17% | 101.521 pontos

O Ibovespa fechou a semana em leve alta de 0,17%, em 101.521 pontos. No Brasil, a semana foi marcada por preocupações com a situação fiscal, levando o Ibovespa a ficar abaixo dos 100 mil pontos no início da semana. Para apaziguar as preocupações, tanto o Presidente Jair Bolsonaro como o Ministro Paulo Guedes buscaram expressar mensagens a respeito da posição do ministro dentro do governo. Além disso, ainda na seara econômica, seguiram as discussões sobre espaços no Orçamento para acomodar investimentos em infraestrutura e a transformação do auxílio emergencial em um novo programa de transferência de renda permanente, o Renda Brasil.

No campo político doméstico, o veto do presidente Jair Bolsonaro ao reajuste do funcionalismo público até 2021 foi derrubado no Senado na quarta-feira, o que foi visto como negativo pelo mercado. Na quinta-feira, o governo conseguiu manter o veto pela Câmara dos Deputados, após realizar um acordo envolvendo a prorrogação do auxílio emergencial e a liberação de recursos do Orçamento ainda em 2020.

No âmbito internacional, as negociações entre EUA e China atrasaram novamente. Autoridades americanas sugerem que universidades liquidem suas posições em empresas chinesas, com a possibilidade destas perderem listagem na bolsa americana. Além disso, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou que estuda dar incentivos fiscais às empresas que tragam empregos do exterior de volta e impor tarifas sobre aquelas que não aderirem, caso reeleito. Ainda na seara eleitoral, apesar das tensões estarem em alta nos EUA devido à proximidade das eleições, democratas deram sinal positivo sobre o pacote de estímulo após semanas de embate.

Câmbio e juros
O Real fechou em queda em relação ao Dólar nesta semana, fechando em R$ 5,62/USD. Já a curva DI para o vértice de janeiro/31 fechou 7 bps abaixo na semana, atingindo os 7,68%.

O que esperar

A divulgação do IPCA-15 de julho, da nota de crédito do Banco Central, da taxa de desemprego brasileira referente ao trimestre encerrado em julho e o resultado primário do governo central serão os principais destaques domésticos da próxima semana. A nossa expectativa é de que os resultados continuem sendo amenizados pelas medidas de estímulos vigentes na economia hoje (creditícias, fiscais e monetárias). No cenário internacional, serão divulgados alguns indicadores de confiança e de atividade econômica das principais economias.