SulAmérica (SULA11): O trimestre desapontou, mas o futuro parece promissor.

BRF (BRFS3) apresentou resultados sólidos, mas abaixo do esperado, no 3T19, com EBITDA ajustado de R$ 1.142 milhões (excluindo ganhos de R$ 467 milhões referente a ações tributárias), 7% menor que o nosso. A margem EBITDA consolidada de 13,5% ficou 116 pontos-base abaixo da nossa (13,7% no 2T19).

Movida (MOVI3) vieram em geral acima das expectativas. O lucro líquido reportado foi de R$62,7mi (sem considerar os efeitos do IFRS16), acima do consenso e ~10% acima do nosso número. A performance foi impulsionada principalmente (i) pelo crescimento forte no segmento de Gestão e Terceirização de Frotas (GTF), com volumes superiores à expectativa e (ii) também pelo segmento de Seminovos, que apresentou crescimento de ~83% no volume de carros vendidos na comparação anual e de ~5% no preço médio, o que resultou em margem negativa de -1,3%, melhor que a esperada.

Em 6 de novembro, o governo brasileiro realizou o leilão de barris excedentes da Cessão Onerosa.

Apenas dois blocos foram leiloados com sucesso: (1) Búzios, adquirido por um consórcio formado pela Petrobras (90%), CNODC (5%) e CNOOC (5%) e (2) Itapu, adquiridos somente pela Petrobras. Atapu e Sépia não receberam nenhuma oferta

CTEEP (TRPL4): EBITDA do 3T19 abaixo do esperado, mas lucro acima devido a benefício fiscal; dividend yield de 3,18%.

Em 5 de novembro, a CTEEP (TRPL4) anunciou seu resultado do 3T19, com EBITDA ajustado de R$ 509,7mi abaixo da nossa estimativa de R$ 543,8mi, principalmente devido a (i) custos gerenciáveis +9,1% acima das nossas estimativas e (ii) encargos mais elevados na receita devido a uma maior participação do mercado livre de energia no portfólio da empresa, efeito que deve ser neutralizado daqui pra frente

AES Tietê (TIET11) reportou o resultado do 3T19 com um lucro líquido de R$ 97,1 mi, acima da nossa estimativa de R$ 83,7 mi. O EBITDA ajustado de R$ 254,2 mi veio levemente abaixo dos nossos R$ 263,1 mi (-3,4%), uma vez que a menor margem de contribuição (receitas de energia menos custos de comercialização e transmissão) de R$ 352,9 milhões, contra nossos R$ 370,1 mi, foi parcialmente compensada por custos gerenciáveis menores do que o esperado (R$ 83,1 mi vs. R$ 94,2 mi).

A Engie Brasil(EGIE3) divulgou um Lucro Líquido do 3T19 de R$742,4 milhões, acima nossa estimativa de R$572,1 milhões. O EBITDA ajustado foi de R$1.237 milhões, abaixo da nossa estimativa de R$1.272,7 milhões (-2,8%) e acima do consenso de mercado de R$1.213,2 (+2,0%);

A Suzano  (SUZB3) reportou um resultado levemente acima do esperado no terceiro trimestre, com EBITDA de R$ 2,4 bilhões, 4% acima do nosso e em linha com o consenso (-22% T/T, -55% A/A). O principal destaque positivo foi a forte redução de 450kt nos estoques, valor que se compara as 300kt esperadas pelo mercado, o que ajudou a impulsionar a geração de caixa.

Índice de sharpe

Quando se trata de investimentos, equilibrar risco e retorno é fundamental para fazer aplicações de acordo com o seu perfil. Mas como saber qual é a medida ideal? O Índice de Sharpe é um dos indicadores que ajuda a descobrir qual é esse ponto de equilíbrio.

Existem diversos tipos de fundos de renda fixa disponíveis no mercado brasileiro. Podemos, no entanto, dividi-los em três grandes grupos de fundos de renda fixa mais buscados pelos investidores: os fundos referenciados, os fundos não referenciados e os fundos de crédito privado.