Custos para Investir

comprar-acoes

Custos para Investir

Quando um investidor compra uma aplicação, ele quer ver seu dinheiro render o máximo possível. Para que isso ocorra, deve-se observar não só a rentabilidade do investimento. Os custos para investir tomarão parte da rentabilidade, portanto devem ser contabilizados. As taxas cobradas variam de acordo com a aplicação.

É possível que um iniciante sequer saiba da existência de taxas sobre os investimentos. Isso acontece, pois, o pagamento não fica claro como na compra de uma mercadoria no supermercado. O valor cobrado quase sempre é descontado dos rendimentos, fazendo com que parte dos lucros não cheguem ao investidor.

Essas taxas permitem que instituições financeiras possam sobreviver sendo especializadas na venda de aplicações. Portanto, se trata de algo injusto apenas se forem cobradas taxas abusivas ou de maneira nebulosa.

O artigo de hoje detalhará as principais taxas cobradas no mercado financeiro. Essas informações serão úteis para você descobrir qual aplicação terá maior rentabilidade líquida. Siga conosco!

Taxa de administração

Essa taxa costuma estar presente em fundos de investimentos e outras aplicações que necessitam de um gestor. Ela paga o salário desse profissional e todo o custo operacional referente à manutenção do fundo.

O valor cobrado é claro e expresso em uma porcentagem anual, 2% ao ano, por exemplo. Essa cobrança não depende da rentabilidade da aplicação. Isso quer dizer que uma taxa de administração alta pode levar a custos maiores que a rentabilidade e, na prática, o investimento dá prejuízo.

Taxa de performance

Uma taxa complementar sobre fundos de investimentos. Ela premia os gestores pela superação de metas preestabelecidas.

A taxa de performance mais comum encontrada no mercado é de 20% sobre o rendimento que exceder o índice usado como referência. Esse índice costuma ser baseado na Ibovespa, no caso de fundo de ações ou a taxa CDI (Certificado de Depósito Interbancário) e para outros tipos de aplicações.

Pode-se dizer que é uma taxa boa de se pagar. Isso, porque, esse custo para investir só aparece quando o rendimento ultrapassa o padrão do mercado.

Taxa de entrada e de saída

Com nome bastante intuitivo, esse custo para investir ocorre no aporte ou na retirada de capital. Esse formato é compatível com previdência privada e fundos de investimento; porém, é pouco observada neles.

A taxa de entrada é pouquíssimo interessante para o investidor, já que corrói o capital antes mesmo de dar retorno.

Compre Ações e torne sócio das maiores empresas do Brasil.

Taxa de custódia

Cobrada para cobrir valores de armazenamento de títulos e ações. Esse custo para investir em títulos públicos é cobrado diretamente pela BMF& Bovespa.

No caso de ações, a corretora escolhida faz a cobrança. Os valores variam bastante de acordo com a instituição e com a quantia aplicada.

Taxa de corretagem

A taxa de corretagem opera principalmente sobre ações. A corretora cobra um valor a cada compra ou venda realizada. Tal quantia pode ser fixa ou proporcional ao volume negociado.

Para pequenos investidores, uma taxa fixa pode tornar o custos para investir tão alto que se torna inviável. É comum corretoras não cobrarem essa taxa em um número limitado de movimentos por mês.

Prestar atenção a essas taxas ajuda você a obter os melhores rendimentos do seu capital. Além disso, fique alerta ao tipo de instituição financeira pela qual você vai aplicar. Saber escolher entre corretora e banco é crucial para obter uma boa rentabilidade.